22 fevereiro 2008

Seguimento da Alcateia de Bragança - 2007 (6)

Provável local de reprodução da Alcateia de Bragança em 2007. Ao redor deste vale foram detectados inúmeros indícios de lobo ao longo do período reprodutor.

Quadro 3 - Estações de escuta realizadas durante o Verão e Outono de 2007 e início de 2008 com o objectivo de confirmar a reprodução da Alcateia de Bragança.

video
Vídeo 1 - Vídeo obtido por máquina de filmar automática com recurso a iluminação infra-vermelha, onde se observa um Lobo-ibérico (Canis lupus signatus) da Alcateia de Bragança.
[Para observar o vídeo carregar com o botão direito do rato sobre a seta no canto inferior esquerdo]

(continuação do post anterior)

Resultados
Durante o ano de 2007 e apesar do considerável esforço de campo não foi possível confirmar a reprodução da Alcateia de Bragança. Com efeito o grupo familiar não foi observado directamente, as estações fotográficas automáticas apesar de fotografarem e filmarem Lobos ibéricos adultos (Canis lupus signatus) (vídeo 1) não registaram qualquer cria e nas várias estações de escuta (quadro 3) também não foi possível detectar a alcateia.
Refira-se contudo que segundo os critérios utilizados pelo Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) e o Grupo Lobo a reprodução desta alcateia em 2007 é considerada como provável (in Censo Nacional de Lobo 2002/2003, Anexo B). A presença de uma concentração elevada de dejectos de lobo (14 dejectos em apenas 2 quilómetros) em pleno período reprodutor é sugestivo de tal facto.

(conclusão no próximo post)

15 fevereiro 2008

Seguimento da Alcateia de Bragança - 2007 (5)

Apesar de discreto o Corço (Capreolus capreolus) abunda no território da Alcateia de Bragança.

Esta cria de Javali (Sus scrofa) deixará em breve a segurança da vara e a sua maior preocupação será evitar o grande predador desta serra do Distrito de Bragança: o Lobo (Canis lupus signatus).

(continuação do post anterior)

Resultados
Relativamente às potenciais presas da Alcateia de Bragança, nomeadamente o Javali (Sus scrofa), o Corço (Capreolus capreolus) e o Veado (Cervus elaphus), a sua detecção ocorreu ao longo de todo o ano. A actividade do veado e do corço foi superior nos meses de Outono enquanto que o número de fotografias de javali atingiu o máximo durante o Verão.
Em 2007 o corço e o javali foram detectados a cada 46 dias (constituíram as presas-alvo mais abundantes) enquanto que o veado foi fotografado a cada 69 dias.
Relativamente à correlação entre estas espécies verifica-se que nos locais com presença de veado co-existe frequentemente o javali (correlação de Pearson 0,06; P=0,79). Já o corço distribui-se principalmente pelos sítios mais apartados e com menor presença de veado (correlação de Pearson -0,15; P=0,46) e javali (correlação de Pearson -0,24; P=0,23) embora esta exclusão aparente não atinja a significância estatística.

(continua no próximo post)

07 fevereiro 2008

Seguimento da Alcateia de Bragança - 2007 (4)

Raposa (Vulpes vulpes) fotografada em plena luz do dia próximo ao seu local de cria.

Este é um dos mais fantásticos e desconhecidos mamíferos selvagens portugueses: a Marta (Martes martes). Esta fotografia comprova a sua existência no Distrito de Bragança, próximo a um vale remoto e num local de densa cobertura florestal.

Gráfico 2 - Medianas (barras a cores) e respectivo interquartile range das fotografias de fauna obtidas em cada estação do ano.

Quadro 2 - Número de fotografias diurnas das espécies de mamíferos carnívoros identificados pelas câmaras fotográficas automáticas.

(continuação do post anterior)

Resultados
De acordo com os dados obtidos pela utilização de câmaras fotográficas automáticas a actividade da fauna na área estudada foi mínima durante o Inverno, aumentou de forma incipiente na Primavera, atingiu a sua máxima intensidade durante o Verão e diminuiu progressivamente ao longo Outono (gráfico 2). Esta diferença nos padrões de actividade de acordo com as estações do ano não se revelou contudo estatisticamente significativa (P=0,27).
A detecção de mamíferos carnívoros ocorreu preferencialmente durante a noite. Com efeito todas as fotos de Lobo-ibérico (Canis lupus signatus), Texugo (Meles meles), Gineta (Genetta genetta) e Cão (Canis lupus familiaris) foram obtidas nesse período. Apenas a Raposa (Vulpes vulpes), a Marta (Martes martes) e o Gato-montês (Felis silvestris) foram detectados durante o dia (quadro 2 e fotos em anexo).

(continua no próximo post)