18 julho 2009

Serra da Arada: o território do Lobo a Sul do Rio Douro



Cumes isolados, vales profundos e inacessíveis e a existência de efectivos de gado caprino permitem a sobrevivência do Lobo-ibérico (Canis lupus signatus), a cerca de quarenta quilómetros em linha recta do Grande Porto, em pleno século XXI.

Na fronteira entre os Distritos de Aveiro e Viseu existe uma paisagem de cumes arredondados e despidos de vegetação a perder de vista. Por aqui escondem-se aldeias abandonadas, cursos de águas límpidas e fragas imponentes. Esta é terra onde ainda persiste uma raridade da Península Ibérica: o Lobo (Canis lupus signatus).
Isolado pela recém-construída rede de auto-estradas, perturbado pelas gigantescas turbinas eólicas, vítima de uma menor disponibilidade de alimento devido à redução progressiva das cabeças de gado o lobo ainda resiste... mas até quando?
Integrada na Rede Natura 2000 como Sítio de Importância Comunitária (SIC), a Serra da Arada pelos elevados valores naturais que encerra, e entre os quais se inclui a ameaçada população lupina, é merecedora de um maior grau de protecção ambiental.

8 comentários:

Rui Pedro Lérias disse...

Ainda não li o texto, vou fazê-lo de seguida, mas partilho consigo a minha alegria de ver novo post no seu blog.

E agora, vamos ler.

Rui Pedro Lérias disse...

E era tão bom ver essas colinas recarvalhadas! E o lobo a alimentar-se de corços em vez de cabras.

william disse...

Por falar nisso parabéns e felicidades! E já agora parabéns também por falares de uma das áreas de montanha mais esquecidas de Portugal, a serra de Arada.

Tiago Rocha disse...

É com muita satisfação que leio um novo artigo teu.
Uma boa continuação Miguel.


Tiago Rocha

Anónimo disse...

É curioso que quando se pergunta aos locais se ainda há lobo, alguns dizem que não, que são só cães assilvestrados.

Antonio R. Peralta disse...

conheço quase todas as pedras dessas montanhas e penso, que nao hà carreiro que eu nao conheça cresci nessas montanhas adormeci muintas vezes a sombras desses rochedos, cantei juntamente com os passaros, desafieios e com eles travei duèlos cantantes ,sou uma massa feita de terra desses montes e àgua dessas fontes proveniente da neve onde o vento passa a cantar.
Antonio R. Peralta

Pedro Caldas disse...

Boas, parabéns pelo Blog!
Ando a pensar fazer uma escapadinha este fim de semana, e como alternativa ao Gerês, que já conheço de trás para a frente, escolhi a Serra da Arada.
A minha pergunta destina-se ao sr. Antonio R. Peralta. Conhecendo também essa zona, alguma vez avistou algum lobo ou vestigios destes?
A minha paixão é a fotografia da fauna, na qual tenho alguma experiência...
Aconselha-me essa zona para tal efeito?

Sou da Póvoa de Varzim... Há possibilidades de acampar por aí? Se não recorrerei ao campismo selvagem...

Os melhores cumprimentos, e invejo a sua sorte de ter crescido de mão dada com a natureza.

Pedro Caldas

j.bom.rapaz disse...

Meu caro Pedro Caldas:
Eu posso responder-lhe pelo A Peralta
Você não vai encontrar nenhum lobo, nem no maciço da Gralheira, do qual faz parte a arada, nem no Montemuro que fica do outro lado do rio paiva.
A razão é simples, está tudo morto.
Eu posso dizer do Montemuro o que o amigo Peranta diz da arada.
Durante 20 anos fui pastor no Montemuro. O ultimo lobo nascido no Montemuro foi abatido por caçadores no ano 2000.
De vez em quando são largados lobos nestas duas serras, mas são abatidos ou envenenados em poucas semanas. É mais provavel você encontrar um marciano na arada que um lobo.