29 dezembro 2010

Seguimento de duas alcateias durante o ano 2009 (5)

Lobo da Alcateia de Bragança Norte fotografado a meio do dia.


Mamíferos detectados no ano 2009 no território da

Alcateia de Bragança Norte

Espécies

Fotografias

Razão de fotografias

Tendência populacional

Raposa (Vulpes vulpes)

472

52%

Javali (Sus scrofa)

139

15%

Corço (Capreolus capreolus)

14

2%

-

Veado (Cervus elaphus)

95

11%

Gato-bravo (Felis silvestris)

7

1%

-

Texugo (Meles meles)

25

3%

Marta (Martes martes)

25

3%

Fuinha (Martes foina)

2

0%

Lebre-ibérica (Lepus granatensis)

19

2%

Rato-campo (Apodemus sylvaticus)

28

3%

-

Total

900

Tendência populacional de alguns dos mamíferos que compartem o território com a Alcateia de Bragança Norte.


(conclusão)


Discussão

O seguimento ao longo de vários anos de alcateias do Distrito de Bragança permite a aquisição de conhecimentos aprofundados sobre os grupos familiares, a evolução populacional das restantes espécies com as quais compartem o território e os factores de ameaça para a sua conservação.

O ano 2009 foi favorável ao lobo no extremo Nordeste da sua área de distribuição em Portugal. Não só não se verificaram alterações substanciais no território (ausência de incêndios ou de construção de grandes infra-estruturas), como registou-se um aumento das principais presas alvo (nomeadamente o javali e o veado). Desta forma as 2 alcateias estudadas reproduziram-se com sucesso, a apenas 5 km de distância, o que traduz bem a densidade do lobo nesta área.

A tranquilidade da zona de estudo confirma-se igualmente pela actividade frequentemente diurna de ambos os grupos familiares (mais de 40% dos registos de lobo obtidos).

No final de 2009 contabilizavam-se 2 crias de ano em cada uma das alcateias. Este número relativamente baixo talvez possa ser explicado por uma população lupina próximo da capacidade de saturação do meio, visto que não foram identificados factores de ameaça directos significativos.

O facto de duas alcateias contíguas não terem respondido a uivos simulados em 10 ocasiões distintas e próximo ao local confirmado de reprodução coloca em causa a fiabilidade deste método, principalmente quando utilizado de forma isolada no censo da espécie e perante um número reduzido de crias.

Em resumo, a monitorização contínua ao longo de mais de três anos duma área específica do distrito de Bragança permite confirmar a tranquilidade do território, a estabilidade da reprodução do lobo-ibérico e o aumento consolidado das suas principais presas.


Agradecimentos

Agradeço ao Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) a autorização emitida para a realização do trabalho de campo. Agradeço ao Dr. Luís Moreira o apoio imprescindível e entusiasmo que sempre demonstrou; sem a sua ajuda este trabalho não teria sido possível.


Proximamente

Os dados referentes a 2010 encontram-se já trabalhados e serão revelados brevemente.

19 dezembro 2010

Seguimento de duas alcateias durante o ano 2009 (4)

Os esgaravatados constituem uma forma de marcação do território por parte do Lobo-ibérico (Canis lupus signatus).


Fotografia de Gato-bravo (Felis silvestris) obtida numa manhã quente do mês de Julho.


(continuação do post anterior)

Dados do território de ambas as alcateias

Em 2009 foram obtidas na área estudada do Distrito de Bragança 103 fotografias e vídeos de lobo-ibérico, correspondendo a 11% do total de registos obtidos. Destes, quarenta e quatro registos de lobo (43%) foram obtidos durante o dia.

Verificou-se que tanto no território da Alcateia de Bragança Norte como no território da Alcateia de Bragança Sul, das 3 principais presas (Javali – Sus scrofa-, Veado – Cervus elaphus - e Corço – Capreolus capreolus -), o javali é a espécie mais frequente (16% e 13% dos registos fotográficos obtidos respectivamente), seguido pelo veado (11% e 9% dos registos respectivamente) e depois o corço (entre a 1 a 2% dos registos fotográficos).

Relativamente a anos anteriores (2007 e 2008) constata-se que a detecção de javali e de veado continua a aumentar enquanto a detecção de corço estabilizou.

Nas restantes espécies continua a detectar-se a presença de Gato-bravo (Felis silvestris) (estabilidade no número de indivíduos detectados relativamente a anos anteriores), bem como da Marta (Martes martes) e Texugo (Meles meles) (estas últimas espécies apresentaram uma descida no número de indivíduos detectados).

Refira-se ainda o aumento significativo na detecção de Lebre-ibérica (Lepus granatensis) e a ausência quase total na detecção de cães (Canis lupus familiares).

(conclusão no próximo post)

04 dezembro 2010

Seguimento de duas alcateias durante o ano 2009 (3)

video

video

Crias de Lobo-ibérico (Canis lupus signatus) da Alcateia de Bragança Sul filmadas e fotografadas durante o Outono de 2009.

(continuação do post anterior)

Resultados

Alcateia de Bragança Norte

Durante o ano 2009 confirmou-se a presença e reprodução da Alcateia de Bragança Norte, que aconteceu no local tradicional de cria.

Apesar da realização de 6 estações de escuta não foi possível obter resposta a uivos simulados, pelo que o recurso a armadilhagem fotográfica foi fundamental para confirmar a reprodução deste grupo familiar: no dia 3 de Novembro, às 21 horas, foi registada em vídeo a primeira cria de lobo.

A análise pormenorizada às fotografias e vídeos obtidos permite concluir que o nº de crias desta alcateia em 2009 terá sido pelo menos de duas.


Alcateia de Bragança Sul

Pela primeira vez procedeu-se ao seguimento anual desta alcateia. Embora nos meses de Junho e Julho a maior concentração de dejectos se localizasse num determinado vale do seu território, a partir de Setembro constatou-se uma maior densidade de sinais indirectos noutra linha de água, localizada a cerca de 1 quilómetro da primeira. Neste local confirmou-se a reprodução da Alcateia de Bragança Sul no dia 24 de Novembro, altura em que 2 das crias deste grupo familiar foram filmadas por um dispositivo automático activado por detecção de movimento. Refira-se que as crias apresentaram com frequência actividade diurna tendo sido observadas directamente pelo autor.

Foram realizadas 4 estações de escuta no local confirmado de reprodução sem que os lobos respondessem aos uivos simulados.

(continua no próximo post)

17 novembro 2010

Seguimento de duas alcateias durante o ano 2009 (2)

Lobo-ibérico (Canis lupus signatus) da Alcateia de Bragança Norte fotografado ao início da noite a sair do local de reprodução.

(continuação do post anterior)

Metodologia

O seguimento das alcateias de Bragança Norte e Bragança Sul efectuou-se através de 3 métodos distintos: realização de percursos pré-definidos com registo de sinais indirectos de presença, armadilhagem fotográfica e estações de escuta.

Durante o ano 2009 foram realizadas 22 deslocações ao território da Alcateia de Bragança Norte e 6 deslocações ao território da Alcateia de Bragança Sul, compreendendo mais de 89 km percorridos a pé em ambas as áreas.

Foram colocadas 14 estações fotográficas distintas (número máximo de câmaras colocadas em simultâneo = 6) correspondendo a um total de 744 dias de amostragem. Realizaram-se 10 estações de escuta.

Os dados obtidos obedeceram ao acordado entre o autor e o Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) através do ofício 201/2009/DGAC. De forma a perturbar o mínimo possível a espécie, as estações fotográficas foram colocadas a uma distância superior a 100 metros do local de reprodução.

(continua no próximo post)

27 outubro 2010

Seguimento de duas alcateias durante o ano 2009 (1)

Exemplar adulto de Lobo-ibérico (Alcateia de Bragança Norte) fotografado no interior de um pinhal ao início da tarde.


Desde 2006 que elaboro para o Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) um relatório anual de seguimento de uma Alcateia do Distrito de Bragança (para ler a versão simplificada desses relatórios tecle com o botão direito do rato por cima de cada ano respectivo: 2006, 2007, 2008).

No ano de 2009 o esforço de campo foi consideravelmente superior a anos anteriores, incluindo o grupo familiar de Lobos-ibéricos (Canis lupus signatus) que ocupam o território imediatamente a Sul da alcateia já conhecida.

Doravante os grupos familiares estudados serão referenciados como Alcateia de Bragança Norte e Alcateia de Bragança Sul.


Alcateia de Bragança Norte (2006 - 2008)

Ao longo dos últimos 3 anos a ocupação do território e o sucesso reprodutor da Alcateia de Bragança Norte foi o seguinte:

2006 – reprodução confirmada (através da audição de uivos das crias e adultos) num pequeno afluente da margem esquerda do Rio Sabor, a cerca de 2 quilómetros (km) da povoação mais próxima.

2007 – alcateia detectada contudo não se confirmou a sua reprodução. Refira-se que em Abril desse ano verificou-se um incêndio de proporções consideráveis próximo ao local habitual de cria.

2008 – reprodução confirmada (registos fotográficos das crias e audição de uivos de adultos e crias), novamente num pequeno afluente da margem esquerda do Rio Sabor. O número estimado de crias foi de 3.

(continua no próximo post)

17 outubro 2010

Emergindo da vegetação

Lobo-ibérico (Canis lupus signatus), 2 de Outubro de 2010 às 5h da manhã.

Neste tempo em que nada mais parece interessar para além da economia, é bom determos um pouco a nossa atenção no mundo natural que nos rodeia.
Neste caso trata-se de um Lobo-ibérico (Canis lupus signatus) fotografado em pleno patrulhamento nocturno próximo ao local onde descansa o seu grupo familiar.
Felizmente que, indiferentes à depressão generalizada que se instalou no país, os lobos portugueses continuam a criar.
Desculpem a ausência...

07 agosto 2010

Sardão: o lagarto trepador

Sardão (Lacerta lepida) fotografado no Vale do Rio Pinhão, próximo a Vila Real.

O Sardão (Lacerta lepida) é o maior lagarto português podendo atingir mais de 25 cm de comprimento.  Distribui-se por todo o território nacional preferindo as áreas secas e expostas onde alcança a temperatura corporal ideal que lhe permite manter-se activo (entre os 25 e os 30 graus centígrados). Desta forma ocorre principalmente em bosques abertos, zonas de matos e áreas agrícolas próximo a  zonas pedregosas que lhe servem de refúgio. 
Na sua dieta incluem-se insectos, frutos e vegetais, para além de pequenos mamíferos. Trata-se de uma espécie longeva (vive mais de uma década na Natureza) e que atinge a maturidade sexual tardiamente, apenas ao 3º ou 4º ano de vida.
Após a hibernação invernal (que se verifica mesmo nos territórios mais a Sul), a Primavera caracteriza-se por um pico de actividade em que se podem verificar lutas violentas entre os machos pela defesa do território e direito à reprodução. 
Se num próximo passeio pelo campo lhe parecer ter observado um lagarto a subir a uma árvore, não se trata de uma alucinação causada pelo calor do Verão: o sardão, rei dos lagartos ibéricos, consegue mesmo fazê-lo! 

18 julho 2010

O poiso certo




Picanço-barreteiro (Lanius senator) no seu poiso favorito com o almoço entre as garras.

Com frequência se discute o impacto nefasto do Homem na Natureza contudo, nas situações em que a acção humana é de baixa intensidade, os seres vivos apresentam uma fantástica capacidade de adaptação. 
Nas fotografias em anexo pode observar-se como um exemplar de Picanço-barreteiro (Lanius senator) utiliza a posição privilegiada facultada pelo cabo suspenso de forma a aumentar as suas hipóteses de sucesso na caça de insectos.
O picanço-barreteiro é um visitante estival, relativamente frequente no Interior Norte e Sul de Portugal, cuja população se encontra em aparente declínio. Prefere terrenos agrícolas rodeados por sebes e pequenas manchas florestais o que corresponde a um tipo de habitat em diminuição devido ao abandono do mundo rural. Para esta espécie, como para muitas outras, a desertificação do Interior do país não é uma boa notícia...

03 julho 2010

O tempo da gestação


Fêmeas de Javali (Sus scrofa) e Veado (Cervus elaphus) em plena gestação no início do mês de Junho.

A gestação é um dos momentos mais importantes no ciclo de vida de qualquer mamífero. Representa a esperança da perpetuação da espécie em geral e de determinadas características em particular. 
Nesta altura do ano as fêmeas tornam-se particularmente discretas, preparando o momento delicado do parto. Nas imagens que ilustram este post pode observar-se uma fêmea de Javali (Sus scrofa) e de Veado (Cervus elaphus) a percorrer o seu território próximo das 22 horas. Espero que daqui a algumas semanas sejam fotografadas de novo acompanhadas pela respectiva prole. 

24 abril 2010

O ciclo das hastes

Veado (Cervus elaphus) fotografado em Março de 2010 no Norte de Portugal pouco antes da queda das hastes.

video
Vídeo de veado, que percorre displicentemente território "lobeiro" português.

Talvez uma das mais impressionantes demonstrações de força da Fauna Ibérica seja a brama do Veado e as lutas entre machos que se verificam no princípio de Outono. Nessa altura os maiores exemplares defrontam-se pela primazia dos grupos de fêmeas e consequentemente pelo direito à procriação. Para além dos bramidos é possível ouvir a grande distância o choque das hastes de diferentes machos, quando a intimidação visual não é suficiente e a disputa assume contornos de luta física.
É contudo em Abril que se começa a preparar esse confronto ainda longínquo. Nesta altura do ano os machos tornam-se mais discretos, refugiam-se no bosque ou nos espessos matagais mediterrâneos, enquanto perdem as hastes do ano anterior e se inicia o processo de crescimento de novos elementos. A luta pelo domínio social ainda vem longe mas o momento-chave acontece agora...

06 março 2010

Onde está o lobo mau?

video

Vídeo obtido no Distrito de Bragança no Verão 2009 pelo Dr. Luís Moreira, próximo ao local de criação de uma das alcateias mais estáveis de Portugal.

Os lobos-ibéricos (Canis lupus signatus), ao contrário da crença popular, são animais altamente sociáveis. Contudo, devido à perseguição que lhes foi movida ao longo de séculos, torna-se praticamente impossível observar na Natureza momentos de interacção entre diferentes indivíduos. 
O conhecimento dos hábitos de uma determinada família de lobos (alcateia) e o recurso a câmaras de vídeo especialmente desenhadas para o efeito permitiu a obtenção das imagens acima disponibilizadas. Capturadas há menos de 6 meses em Trás-os-Montes, permitem observar 4 crias de lobo-ibérico envolvidas em pequenos jogos e perseguições próximo ao local onde nasceram.
Olhando para este vídeo apetece perguntar: onde está o lobo mau? Em Trás-os-Montes, região do país onde o Homem convive com o lobo desde tempos ancestrais, é que não... 

19 fevereiro 2010

A dureza do Inverno


Eis o Inverno e a difícil procura de alimento.

Os dias frios sucedem-se e com eles a queda de neve nas serras do Norte e Centro de Portugal. Nas terras altas a paisagem adquire contornos de grande beleza contudo, para a maioria da fauna Ibérica, são dias difíceis na luta pela sobrevivência.
Olhando para a paisagem acima transparece uma sensação de tranquilidade. Contudo observando mais de perto encontram-se diferentes pegadas na neve que denunciam a actividade de vários animais. Isso mesmo é confirmado pela imagem da Raposa (Vulpes vulpes), obtida por armadilhagem fotográfica, retrato paradigmático da dura busca por alimento. Primavera, não tardes...

06 janeiro 2010

Falta de Vigilantes da Natureza no Parque Natural do Douro Internacional


A conservação dos valores naturais representa uma medida indirecta do grau de civilização de uma nação. Como se trata de um "bem" inatingível, sem uma repercussão económica imediata, raramente se encontra entre as prioridades de qualquer Governo.
O Parque Natural do Douro Internacional foi criado em 1998 para "valorizar e conservar o património natural e o equilíbrio ecológico, através da preservação da biodiversidade e da utilização sustentável das espécies, habitats e ecossistemas". Quatro anos mais tarde foi criado na vizinha Espanha o Parque Natural Arribes del Duero, de forma a que na actualidade as duasáreas protegidas encerram mais de 120 quilómetros de canhões e bosques mediterrâneos inacessíveis. Perfazem uma das maravilhas naturais da Europa, habitada por Águias-reais (Aquila chrysaetos), Lobos-ibéricos (Canis lupus signatus), Gralhas-de-bico-vermelho (Pyrrhocorax pyrrhocorax) ou Britangos (Neophron percnopterus).
Esperar-se-ia que para vigiar e proteger uma área tão extensa o país dispusesse de algumas dezenas de funcionários, nomeadamente Vigilantes da Natureza. Na verdade, e desde há cerca de 4 meses, não há um único Vigilante da Natureza a trabalhar no Parque Natural do Douro Internacional! Restam apenas 4 técnicos superiores, o que não permite sequer a recepção adequada aos visitantes que procuram a região. Ficam as perguntas: estará o país numa penúria tão profunda que não possa honrar os seus compromissos internacionais na área da Conservação da Natureza? Se esta mesma situação se passasse numa área protegida próxima de um grande centro urbano do litoral o desfecho seria o mesmo? Faz  ainda sentido chamar ao Douro Internacional área protegida quando não resta praticamente ninguém para a proteger?