03 junho 2013

Côa revisitado


Côa selvagem após as chuvas abundantes do Inverno e Primavera. 

 Depois de alguns anos sem visitar o Vale do Côa tive o prazer de há poucas semanas regressar a este paraíso escarpado do Interior Português. A abertura do Museu do Côa e os postos de trabalho a ele associados, a autenticidade da paisagem do Vale versus a proliferação próxima de barragens no Douro faz com que neste momento e comparativamente a anos atrás a não construção da Barragem do Côa seja uma opção mais compreendida e aceite pelas populações locais.
  Essa paz que se estabeleceu entre o Homem e o Rio é retribuída pela Natureza: por todo o lado se observa a recuperação do coberto vegetal autóctone, a solidão e o isolamento dos fraguedos permite a manutenção das condições óptimas para o estabelecimento das aves rupícolas (veja-se a elevada densidade de Abutre-do-Egipto, uma das maiores do país). Nunca como agora o Côa esteve tão belo...

1 comentário:

Alberto Maia Reis disse...

Parabéns pelo excelente trabalho. Abraço.
Alberto Maia