16 abril 2007

Reserva Natural Lagunas de Villafáfila

A estepe, os pombais e as lagoas constituem o mosaico paisagístico da Reserva Natural Lagunas de Villafáfila

Limitada por terras áridas onde abundam os Tartaranhões-caçadores (Circus pygargus) e as Abetardas (Otis tarda), a Laguna Grande com cerca de 200 hectares de extensão é uma das zonas húmidas ibéricas que alberga maior biodiversidade.

A Nordeste da cidade leonesa de Zamora localiza-se um dos locais de maior importância para a conservação da avifauna europeia: a Reserva Natural Lagunas de Villafáfila (RNLV).
Abrangendo uma área superior a 30 mil hectares, a RNLV constitui um dos melhores exemplos da chamada estepe cerealífera, ou seja, encerra uma interminável extensão de terras desprovidas de árvores e com escassa vegetação não cultivada. Designa-se cerealífera para a distinguir da estepe natural, que em sentido estrito não existe na Península Ibérica. Rodeado por montanhas que impedem a passagem das nuvens este local apresenta um grande rigor hídrico, juntamente com Invernos gelados e estio prolongado. Mas é aqui, no meio desta suposta aridez, que se esconde um dos maiores tesouros da Natureza Ibérica: provavelmente a maior população mundial de Abetarda (Otis tarda), a mais pesada ave voadora do planeta!
Em qualquer altura do ano, mas com maior facilidade na Primavera, podem ser observadas estas imponentes aves, cuja população supera os 2500 exemplares (censo de Março de 2006). Nas primeiras horas do dia machos com mais de 18 kg de peso pavoneiam-se diante de grupos de fêmeas, qual estranha bola de neve (cauda de penas brancas armada, corpo inchado) perdida num deserto sem fim...
Mas a RNLV é muito mais que estepe: no seu interior encerram-se várias lagoas que servem de refúgio a uma "multidão" de patos, gansos e limícolas. Para se ter uma pequena noção da imensa riqueza biológica deste espaço basta referir que todos os anos mais de 20 mil (!) Gansos-comuns (Anser anser) oriundos do Norte da Europa escolhem as Lagunas de Villafáfila para invernarem.
Para programar uma visita a este paraíso perdido no interior de Castela e Leão aconselho desde já a leitura do site www.villafafila.com. Uma vez no terreno é obrigatório iniciar a visita pela Casa da Reserva "El Palomar onde se disponibilizam mapas e guias da área protegida.
A RNLV encerra ainda um outro grande tesouro natural mas isso será tema do próximo post...

P.S.1 Na Casa da Reserva os guias são bastante solícitos e quando questionados informam sobre os melhores sítios para observar abetardas (e não só...) com base nos avistamentos dos vários grupos de aves (alguns com centenas de indivíduos) ao longo dos últimos dias.

P.S.2 Apesar da informação acima referida e do facto das abetardas serem aves bastante grandes, a sua observação não resulta fácil pois tendem a evitar o contacto com o Homem e a coloração da sua penugem confunde-se com a paisagem circundante. Escusado será dizer que o uso de binóculos é indispensável.


5 comentários:

william disse...

Só uma correcção, caro amigo: Zamora é uma cidade leonesa, e não castelhana.

Já agora, que me dizes na energia eólica no Montesinho?

miguelbarbosa disse...

Tens toda a razão Guilherme, Zamora é uma cidade leonesa e a corracção já foi feita.
A minha resposta à energia eólica em Montesinho será dada num próximo post. Um abraço

miguelbarbosa disse...

No comentário acima onde se lê corração deve-se ler correcção...

garina do mar disse...

li há poucos dias (não sei dizer onde) que em Campo Branco? na zona de Castro Verde/Mértola, tem sido feito um trabalho notável para a conservação das abetardas... e julgo também que para a conservação do peneireiro das torres!!

alexandrecastro disse...

descobri este blog por mero acaso...e acho que vou ficar cliente. parabéns pela forma e pelos temas abordados.