12 novembro 2007

Caça ao Lobo em Espanha a Sul do rio Douro

Raia espanhola próximo ao Rio Douro.

Enquanto que em Portugal o Lobo (Canis lupus signatus) é uma espécie ameaçada de extinção e por isso protegida por lei, em Espanha verifica-se um regime misto: a subpopulação a Norte do rio Douro está sujeita a controlo cinegético (a modalidade de caça varia consoante as diferentes comunidades autónomas) ao passo que a mais ameaçada subpopulação a Sul deste rio encontra-se protegida legalmente e a sua caça está interdita.
Mas esta situação em breve vai mudar: a Comunidade Autónoma de Castela e Leão prepara-se para aprovar em Janeiro de 2008 um novo plano de gestão do lobo que determina a sua classificação como espécie cinegética em todo o território. Trata-se de uma alteração de fundo que põe termo a mais de 20 anos de protecção legal do principal super-predador ibérico a Sul do rio Douro.
Já em 2003 a "Junta de Castilla y León" tentou remover o estatuto de protecção do maior canídeo selvagem nesta região. Nessa altura devido a uma forte pressão social, traduzida por um abaixo-assinado com mais de 13 mil assinaturas, e ao papel fundamental da Comissão Europeia tal não se verificou.
Mas neste momento e após nova petição da "Junta" a moção encontra-se prestes a ser aprovada pelas instâncias europeias. Que mudou desde 2003 para que ocorra este volte-face?
O jornal espanhol de referência "El País" avança com a explicação: "La Comisión, desde que llegó Durão Barroso, ha bajado bastante el nivel de exigencia en temas de medio ambiente". Acrescento eu: o vale do Sabor que o diga! Mais palavras para quê...

11 comentários:

Anónimo disse...

Neste caso o El País têm razão.Os políticos são todos iguais,só querem mama.

Grizzly disse...

É extremamente preocupante se tivermos em consideração que normalmente copiamos os maus exemplos. Um dia destes temos caçadores no PNPG a atirar aos poucos lobos que aí resistem.
Gostaria de acrescentar que a esta caça em Espanha é, no entanto, extremamente condicionada e uma licença para caçar um lobo pode custar qualquer coisa como 17.000 Euros. Este dinheiro serve para pagar indemnizações aos agricultores cujos rebanhos são vítimas de ataques de lobos. De qualquer forma continua a achar que este não é o caminho...
1 abraço,
Helder Ribeiro
(www.trilhosemarcas.blogspot.com)

Victor Alves (Zoelae) disse...

Caçar lobos é puro acto de diversão pior que as touradas. Que mau gosto o de quem o faz...

Anónimo disse...

De facto é uma medida preocupante, mas se tal acontecesse em Portugal as consequencias seriam muito mais graves.É tudo uma questão de mentalidade!

Anónimo disse...

Sou agricultor e o meu rebanho(cabras) já foram atacadas, não por LOBOS mas sim por uma matilha de cães abandonados pelos caçadores.

Henrique Pereira dos Santos disse...

Outra hipótese para o que mudou: o lobo está, quer em Espanha, quer em Portugal, em muito melhores condições de conservação.

Em Portugal a Sul do Douro está com dificuldades significativas, a Norte do Douro está bastante estável e com as suas populações naturais de presas em franco desenvolvimento.

henrique pereira dos santos

Anónimo disse...

O que me parece que mudou é que o lobo a sul do Douro entrou na provincia de Salamanca onde são criados touros de lide e onde os criadores desta raça não estão dispostos a perder animais, pois atingem preços apreciáveis. A pressão destes criadores nota-se e refecte-se no Plano de "gestão" do lobo da "Junta de Castilla y León". O que se pretende nesta área é que o lobo esteja em níveis populacionais tão baixos que não faça prejuízos. Ora estes níveis só se atingem com o quase extremínio. Na minha maneira de ver, os lobos são os mesmos o que muda são o tipo de criadores de gado. Parece que há os de primeira e os de segunda.
Já agora, o dinheiro da caça ao lobo não serve para pagar prejuízos, serve, nas reservas de caça regionais para a Junta e para os "ayuntamentos" da área. Só aqui é que se paga os milhares de euros. Nos "cotos privados de caza" serve para a gestão do coto. Actualmente, em Castilla y León é mais barato matar um lobo ilegalmente do que legalmente numa Reserva Regional de Caça, facto que este plano reconhece e pretende mudar.
Em Castilla y León também só recebe indeminizações quem tem seguro agrário contra ataques de cães e lobos, e isto através do seguro, ficando o papel da Junta remetido à tramitação do processo e ao pagamento da fraquia do seguro. É claro que a maior parte dos pastores não tem seguro e por isso não recebe nada, nem declara o prejuízo. Todo o plano me parece bastante injusto uma vez que os criadores de gado são tratados de forma acentuadamente diferenciada conforme a zona de Castilla y León.

Luís Moreira

Ana Luiza Quijada disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Luiza Quijada disse...

E eu pensava que nos países desenvolvidos as pessoas eram mais conscientes...

Ana Luiza
Rio de Janeiro, Brasil

Anónimo disse...

Em primeiro acho que o EL PAIS quer achar um bode espiatorio para as incapacidades do governo Espanhol nesta materia . Segundo e incrivel que em espanha se possa matar LOBOS IBERICOS que a meu ver deviao ser um simblo da peninsula iberica e serem ainda mais protegidos , e neste assunto parabens a PORTUGAL por ter uma lei protetora do LOBOS ,so que para se proteger o lobo iberico e imperial proteger o seu habitat e as especies que delas o lobo depende para a sua sobrevivencia , como o corco, o javali , coelho e a lebre etc, alias se estas especies focem protegiadas e ate reentroduzidas nos habitates naturais do lobo iberico nao averia ou pelo menos diminuia-se os ataques destes animais ao gado dos agricultores . Quanto as indemnizacoes aos agricultores lezados com sertos ataques esporadicos dos lobos , poderia-se uzar parte do dinheiro para uma alimentacao dos lobos uma vez por mez com o abate de gado velho e cavalos velhos e colocalos estregicamente ao despor do lobo, pois se o lobo estiver alimentado nao descera das montanhas as terras para atacar o gado .

Anónimo disse...

Oh MEU DEUS, FIQUEI EM CHOQUE