26 novembro 2007

Urso-pardo cantábrico a caminho da recuperação

Bosque caducifólio misto no Parque Natural das Fuentes de Narcea e Ibias, percorrido pelo Urso-pardo cantábrico (Ursus arctos).

Serra de Perlunes no Parque Natural de Somiedo, território de uma unidade reprodutora da população Ocidental de urso-pardo.

Abril de 2001.
O dia aproximava-se do fim no Parque Natural de Somiedo, localizado na vertente Ocidental da Cordilheira Cantábrica. O frio apertava e sentado num prado perscrutava com os binóculos a encosta oposta. Perante mim elevava-se uma montanha de relevo abrupto com a cumeada revestida de neve. Observei o voo de uma Águia-real (Aquila chrysaetos) que há anos cria num ninho localizado a pouco mais de 1 quilómetro, a displicência de um grupo de Camurças (Rupicarpa rupicapra) que ruminavam próximo a uma atalaia pronunciada e uma Raposa (Vulpes vulpes) que se apressava sentindo-se exposta naquela encosta com reduzido coberto arbóreo.
Subitamente uma pequena mancha escura chamou-me a atenção. Avançava de forma hesitante, desengonçada. Que estranho animal seria aquele? Urso (Ursos arctos) não parecia pois era demasiado pequeno. Talvez um Javali (Sus scrofa)... mas seria de longe o porco selvagem mais estranho que alguma vez vira. Logo de seguida o meu espanto aumentou: um pouco mais atrás mostrava-se agora uma segunda mancha negra em tudo idêntica à primeira. Esta desatou a correr de forma desconexa e acabou por se imobilizar junto a uma penha. A suspeita aumentava a cada momento e foi com enorme alegria que instantes depois, detrás daquela rocha cársica, testemunhei o aparecimento de um belíssimo exemplar de Urso-pardo cantábrico! Durante a hora seguinte e até que os últimos raios de Sol desaparecessem no horizonte acompanhei esta ursa enquanto subia a encosta com as suas duas crias, parando para se alimentar aqui e acolá dos primeiros rebentos da Primavera. A certa altura a progenitora elevou-se sobre as patas traseiras para melhor captar os cheiros, certamente tentando perceber se seria seguida por algum macho que nesta fase do ano constituem uma séria ameaça para as crias. Mais abaixo acendiam-se já as luzes da aldeia e a ela tive que regressar no final de um daqueles dias que jamais esquecerei.

Novembro de 2007.
É apresentado o estudo "Demografia, distribución, genética y conservación del oso pardo cantábrico" fruto do trabalho de seguimento da população ursina ao longo dos últimos 16 anos pela ONG Fundación Oso Pardo e o Ministério de Meio Ambiente espanhol. Os dados confirmam aquilo que o melhor seguidor de ursos da Península, Alfonso Hartasánchez da ONG FAPAS, já vinha adiantando nos seus relatórios anuais: a população de Urso está em franca recuperação.
Actualmente pelas perspectivas mais conservadores existirão 130 ursos dividos nas populações Ocidental (cerca de 100) e Oriental (entre 25 a 30) mas provavelmente o seu número será superior. O número de ursas com crias aumentou 7% ao ano na população ocidental passando-se de 3 ursas com crias em 1994 para 15 em 2006. Na população Oriental, mais ameaçada, o crescimento tem sido de 3% anualmente constatando-se a recuperação de locais históricos de criação como as montanhas de Riaño. Neste momento existem ursas com crias a apenas 8 quilómetros da capital das Astúrias, a cidade de Oviedo.
O objectivo final do projecto de conservação da espécie e que permitirá a sua desclassificação como Em Perigo de Extinção é a conexão entre as duas populações. Os dados são positivos: pela primeira vez em anos foi constatada a presença de 2 exemplares próximo à auto-estrada de Huerna e acumulam-se indícios sobre a presença de uma ursa com crias junto a Pola de Lena na região central das Astúrias.
Sem descurar o longo caminho que ainda falta percorrer felicito por estes resultados as principais associações conservacionistas do urso-pardo cantábrico, a Fundación Oso Pardo e o FAPAS, as regiões autónomas envolvidas, o Ministério de Meio Ambiente espanhol e principalmente os habitantes da Cordilheira Cantábrica que desde sempre conviveram e toleraram o urso e hoje beneficiam justificadamente de um turismo de qualidade que utiliza a espécie como símbolo.

P.S. De forma a melhor preservar a biodiversidade toda a Cordilheira Cantábrica foi considerada Zona de Exclusão Eólica, e por isso está terminantemente proibida a instalação de Parques Eólicos. Porque não acontece o mesmo nas áreas protegidas portuguesas?

5 comentários:

Anónimo disse...

É de louvar.

SLN disse...

"Porque não acontece o mesmo nas áreas protegidas portuguesas?"

Porque não temos Ursos nos nossos parques!!! Mas continuamos a ser governados por um bando de "Ursos", que aquilo que vêem nas Eólicas é €€€ e não energia alternativa!!!

Anónimo disse...

Estamos anos luz atras da Espanha no que toca a conservação da Natureza e sua recuperação.

JLQueiros disse...

Creio que a culpa é de todos, gostamos muito de bibelôs. A floresta, os rios, e a fauna são mais uns para ter na prateleira.... A sociedade civil tem que se organizar, tem que criar fundações e associações com interesses. Deixar tudo para os politícos e os governos é sacudir a água do capote...

Pedro Alvares disse...

Nao ha ursos em portugal, pois nao?
É que tive a pesquisar e descobri que neste seculo houve ja relatos de ursos-pardos no parque nacional peneda/geres!!
será verdade?